terça-feira, 15 de julho de 2014

Solidão

Olá pessoal,

Estou muito triste hoje. Foquei no meu artigo e finalmente ele andou mais que nunca e apesar de ter comido açúcar eu não estou preocupada em recomeçar.
Porém comecei a pensar... o que fez eu perceber que aquele alimento tinha açúcar e mesmo assim come-lo? Porque eu busquei o açúcar?

Então passei o dia todo me sentindo triste e vi que minha tristeza está diretamente ligada à solidão e convenhamos que o açúcar pode muito bem servir de afeto e a gordura em minha volta podem ser as companhias que me faltam. Interpretações à parte me dei conta, desde ontem tenho pensado nisso, que sempre SEMPRE sempre, me senti sozinha, infelizmente, apesar de ter um irmão que amo e que sempre esteve do meu lado, meu mundo sempre foi isolado e tive que aprender a viver só. Digo isso porque desde ontem recordei que com 9 anos tive uma paralisia que ia da metade do meu rosto até o meu braço, minha mãe me levou em vários neurologistas e ninguém sabia explicar (hoje sei que a psicologia chama isso de crise conversiva, ou seja, uma paralisia emocional). Ninguém sabia explicar a causa apenas sabiam que algumas medicações poderiam ajudar. Lá fui eu tomar vitamina B e cortisona. Eu não conseguia comer alimentos sólidos porque como parte do meu rosto estava paralisado os músculos da boca não contraiam a ponto de deixar a comida dentro dela. Um de meus olhos não piscavam e era preciso usar uma pomada a fim de lubrificar o olho para eu não ficar cega. Me lembro como se fosse hoje, minha mãe tentou me dar as medicações mas ela se desorganizou, se perdia nos horários. Então eu, com 9 anos, fiz uma tabela onde coloquei o horário de todas as medicações e eu mesma cuidei do meu tratamento. Do meu pai e meu irmão eu não me recordo, então pelo que parece eles não se envolveram nisso, meu irmão provavelmente por ser pequeno como eu e meu pai por estar preocupado em pagar o tratamento ou sei lá eu o que.
Fiz todo o tratamento e aos 12 anos tive a mesma paralisia e mais uma vez eu mesma me tratei.

Sabem porque eu contei essa história? Falei dela não para ficarem com pena de mim e sim para eu enxergar a minha realidade, fui criada só, e foi justamente nessa época (9 anos) que comecei a engordar, talvez a comida fosse a única companhia e afeto que eu tinha. Acredito que ela funciona assim até hoje e estar encarando uma nova forma de viver, ou seja, me desprender do afeto da comida e da companhia da gordura é bem desafiador. A única coisa que sei é que não quero mais esse tipo de afeto e de companhia, mesmo que eu tenha que encarar minha solidão para o resto da vida.

Hoje o sentimento de solidão foi muito presente novamente, estou sem falar com minha família a 7 dias e a última vez que falei fui eu quem liguei, porque eles nunca me ligam, podem passar meses e sei que não vão me ligar. O mesmo acontece com meu namorado, ele foi para a casa dele (em outra cidade) no domingo, hoje é terça e ele ainda não me ligou, pelo visto ninguém quer saber como esta indo meu mestrado, como eu estou e muito menos não estão se preocupando se eu estou precisando de carinho ou não.

Sei que isso parece um poço de lamentações, afinal se eu quero carinho é só eu ligar. Mas aí que está a questão, eu sempre ligo, sempre vou atrás e por incrível que pareça parar de comer compulsivamente está fazendo eu perder a vontade de investir neles todos. Até mesmo o meu namorado que sempre que eu ligo é carinhoso e atencioso, eu tenho pensado, será que vale a pena? Vou ter que sempre fazer o movimento de ir buscar, será que nunca vou ter alguém que também queira me dar algo antes de eu pedir?

É estranho dizer isso, mas vejo que estou reproduzindo com meu namorado o que sempre vivi com minha família e definitivamente não sei se é isso que quero pra mim. Não vou tomar nenhuma atitude precipitada, isso são impressões de um dia que estou me sentindo solitária. Vou esperar e orar e deixar que Deus cuide de mim como sempre tem cuidado e aos poucos as cosias vão ficar mais claras para mim.

Sobre a comida, cheguei a pensar em comer mais açúcar no dia de hoje, mas também pensei que isso não ia me ajudar em nada, se eu comece açúcar eu ia acabar não fazendo o artigo, ia ficar deitada na cama e ia colocar a culpa de tudo que estou sentindo em cima da comida. Então segui meu plano. Continuo sem apetite e acabei de fazer uma janta que consegui comer apenas 1/4 do que preparei. Estou meio enjoada e acreditem apesar de toda a tristeza tem um lado meu que está feliz, porque finalmente estou tendo lucidez a respeito de Eu no Mundo. A comida já não é mais todas as minhas respostas.

bjs M.

Um comentário:

  1. Amiga.... Nem sei o que te dizer. So se sinta abraçada por mim. Bjs

    ResponderExcluir